O início do Aikido no Japão

Atualização do original publicado no Aikido Journal com o título de Aikido History in Japan”, por Stanley Pranin em 1980.

atualizado em 2010 por
Roland Spitzbarthand Sven Friedel
Iwama-ryu 4
. Dan, Aikikai 6. Dan
aiki-dojo.ch, Zurique, Suíça

ampliado em 2020 por
J.F. Santos
Aikikai 5. Dan, Aizen Dojocho,
aizen.org, Brasília – DF

 

O ano de 1942 é frequentemente citado como o início do aikido moderno. Foi nessa época que a Dai Nihon Butokukai1, desejando alcançar uma padronização na metodologia e nomenclatura de ensino das modernas artes marciais japonesas, chegou a um acordo com o representante da KOBUKAI, Minoru Hirai, para chamar a forma de jujutsu desenvolvida pelo Morihei UESHIBA como Aikido.

Vinte anos antes, em 1922, Ueshiba havia recebido a licença de ensino "kyoji-dairi"2 de Sokaku Takeda do Daito-ryu. Posteriormente, aquilo que ele já denomino de AIKIBUDO(NT), modificou as técnicas e as combinou com o conhecimento de outros estilos, como Yagyu-Shingan-ryu ou Tenjin-Shinyo-ryu e, finalmente, com uma forte ênfase nos aspectos espirituais e éticos, chamou de AIKIDO. Assim, em 19423, o Aikido juntou-se às fileiras do Judô, Kendô, Kyudô e outras artes marciais modernas. Quando visto em termos do

desenvolvimento da arte de Morihei Ueshiba, 1942 coincidentemente representa um tempo de grande transformação, quando o fundador se retirou para a Iwama naquele ano, no meio da Segunda Guerra Mundial. Foi lá que ele fez grandes esforços para aprimorar suas habilidades técnicas e alcançar um plano espiritual superior. O próprio fundador declarou que foi durante os anos de Iwama que ele aperfeiçoou seu Aikido. Portanto, não é irracional considerar 1942 como a linha divisória entre o aikibudo e o aikido. Na realidade, pouco aikido era praticado neste momento no Japão devido à diminuição da presença de jovens que haviam sido mobilizados para o esforço de guerra. Assim, embora se possa pensar no nascimento do Aikido em 1942, seu verdadeiro crescimento começou bem após o fim da guerra. Morihei Ueshiba viveu em tempo integral em Iwama, de 1942 a 1955, após o que dividiu seu tempo entre Iwama, Tóquio, e suas viagens regulares à região de Kansai. O Morihiro Saito Sensei sempre alegou que o Fundador ensinava de maneira diferente em Iwama do que em outros lugares porque o dojo estava ligado à sua casa e ele podia participar de treinamento sempre que batia a vontade.

(NT) As transformações das técnicas refletiam-se nas transformações dos nomes que Morihei Ueshiba deu à sua arte durante o contante desenvolvimento do seu sistema. Inicialmente, em 1928 chamava-se Aioi Ryû 相生流, em 1932 era Kôbukai Aikijutsu 皇武会合気術, em 1933 Asahi Ryû 朝日流, em 1937 era Dai Nippon Budô 大日本武道, em 1944 era Tenshin Aiki Budô 天真合気武道 e Takemussu Aiki Budô 武産合気武道 e finalmente em 1949, Zaidanhôjin Aikikai e Aikidô 財団法人合気会、合気道. (fonte: Enclyclopedia of Japanese Martial Arts, David Hall)

A Zaidan Hojin Aikikai, a fundação estabelecida pelo dojo central (hombu dojo) da Aikikai, foi registrada na província de Ibaragi em 9 de fevereiro de 1948 e foi a continuação histórica da Kobukai. O Hombu Dojo (dojo central) havia sido transferido para Iwama devido às condições restritas em Tóquio após a guerra. Naquela época, o dojo de Wakamatsu era dojo só de nome, já que várias famílias bombardeadas estavam morando lá dentro. Foi até usado por um tempo como salão de dança para tropas de ocupação. A maioria dos japoneses preocupava-se principalmente em ter o que comer suficiente durante esses anos. Isso, associado ao fato de a arte ser praticamente desconhecida, resultou em baixa participação nas sessões de treinamento. Morihei Ueshiba passou a maior parte do tempo em Iwama envolvido em agricultura e treinamento intensivo. O presente Doshu, Kisshomaru Ueshiba, foi empregado pela Osaka Shoji, uma empresa de valores mobiliários. Portanto, o Aikikai, sem instrutores em tempo integral, teve um começo lento.

Em outros lugares, Gozo Shioda, um entusiasmado estudante pré-guerra de Ueshiba, conseguiu um emprego em 1950 como guarda na empresa Nihon Kokan Steel, que vinha sofrendo distúrbios trabalhistas. Isso o levou a iniciar aulas regulares de Aikido em vários locais da empresa em 1952. Também durante esse período, Shioda conduziu inúmeras demonstrações de Aikido em delegacias de polícia. Essas atividades levaram pouco depois à criação do Aikido Yoshinkan.

Também foi nessa época que as sementes do Aikido Tomiki estavam sendo plantadas na Universidade de Waseda. Kenji Tomiki assumiu o comando do clube de Judô da universidade em abril de 1951. Além das instruções padrão de Judô, ele continuou experimentando uma série de técnicas executadas a partir de uma postura separada chamada Rikaku Taisei. Essas eram essencialmente técnicas de Aikido que Tomiki considerava formar parte essencial e complementar de um currículo total de Judô. A partir de abril de 1952, Tomiki começou a ministrar cursos formais de "exercícios de judô" primeiro para mulheres e depois para aulas mistas. Esses cursos também incluíam conteúdo como kata de aikido e grande parte da pesquisa preliminar que mais tarde se tornaria o sistema Tomiki foi realizada nessa época.

Também deve ser mencionado que Noriaki Inoue, sobrinho de Morihei Ueshiba que era então conhecido como Hoken, era ativo em Tóquio ensinando na Base Aérea de Tachikawa, pouco antes do início da Guerra da Coréia. Mais tarde, ele ensinou em Yoyogi Shinmachi. Embora não esteja documentado, parece que Inoue estava usando o nome aikibudo naquela época. Sua arte mais tarde, por volta de 1956, passou a ser chamada de Shinwa Taido e, finalmente, Shin'ei Taido. Inoue há muito tempo era independente de seu tio e parece que ele quase não tinha contato com o Aikikai Hombu Dojo.

A essa altura, o fundador começou, aos poucos, se aventurar para fora de Iwama. Ele passou vários meses em Osaka em 1952, ajudando Bansen Tanaka no lançamento de seu novo dojo. Ele também viajou várias vezes para a Prefeitura de Wakayama no início dos anos 50, onde passou algum tempo visitando santuários e ensinando no Kumano Juku Dojo de Michio Hikitsuchi.

Um grande evento para a nova arte que lutava por sua existência ocorreu em 1954, quando uma grande demonstração pública patrocinada pela Life Extension Association foi realizada no Ginásio de Tóquio, em Sendagaya. Cerca de 15 mil pessoas compareceram a esta exposição e é considerada a primeira demonstração pública em larga escala realizada após a guerra. Gozo Shioda e Koichi Tohei estavam entre os participantes e a empolgação gerada por este evento contribuiu muito para tornar conhecido o nome Aikido. Shioda, em particular, causou uma forte impressão e logo conseguiu atrair o apoio de Shoshiro Kudo, do Banco Tomin, e Kiichi Minami, da Kokusaku Pulp Company. A disponibilidade de assistência financeira levou ao estabelecimento do dojo de Aikido Yoshinkan em Tsukudo Hachiman em 1955. Nesse mesmo ano, Shioda publicou um livro sobre técnicas básicas de Aikido e a arte começou a aparecer na televisão.

Então, em 1956, a Aikikai realizou uma série de demonstrações durante um período de cinco dias em que o fundador Ueshiba apareceu na loja de departamentos Takashimaya em Nihombashi. Foi nessa época que Kisshomaru deixou seu emprego para se dedicar em tempo integral às aulas de Aikido. Além disso, a Aikikai foi impulsionada pela chegada no verão de André Nocquet, um judoca francês. Nocquet tornou-se um uchideshi no Aikikai Hombu Dojo e compartilhou a vida com a família Ueshiba. Além de ser um praticante entusiasmado, ele estava bem conectado nos círculos diplomáticos e providenciou para que numerosos dignitários estrangeiros viessem ao dojo da Aikikai para assistirem demonstrações. Vários dos indivíduos mais talentosos que ingressaram no Aikikai após a guerra começaram a ensinar em outros locais e dojos filiados começaram a surgir por toda parte. Entre esses professores estavam nomes conhecidos como Kisaburo Osawa, Koichi Tohei, Hiroshi Tada, Shoji Nishio, Seigo Yamaguchi e Nobuyoshi Tamura, para citar apenas alguns. Shigenobu Okumura, apesar de manter um emprego de tempo integral, também desempenhou um papel ativo. Fukiko Sunadomari atuou como chefe da equipe de instrução das mulheres e estava muito envolvida no funcionamento interno do dojo e nos assuntos da família Ueshiba.

Entre os que assistiram Shioda na disseminação do Yoshinkan Aikido, estavam Kiyoyuki Terada, Shigeho Tanaka, Tadataka Matsuo e mais tarde Takashi Kushida e Kyoichi Inoue. O Yoshinkan foi muito ativo fazendo demonstrações públicas e recebeu considerável cobertura da mídia.

Embora os diversos currículos e estruturas organizacionais dos estilos Aikikai, Yoshinkan e Tomiki Aikido estivessem emergindo, os laços pessoais formados durante o período do Kobukan Dojo permaneceram. Por exemplo, a Aikikai e o Yoshinkan apareciam às vezes nas mesmas demonstrações e Kenji Tomiki ensinava de tempos em tempos na Aikikai em meados da década de 1950.

A Aikikai representou a continuação dos esforços de Morihei Ueshiba antes da guerra e gozou do prestígio de seu nome, e também começou a criar uma rede de dojos filiais e clubes universitários no final da década de 1950, que foram posteriormente agrupados em federações. Além disso, a Aikikai conseguiu desenvolver uma sólida equipe de professores com base em um programa ativo de uchideshi. Essa abordagem produziu uma equipe unida de jovens instrutores profissionais que complementaram os esforços dos professores seniores. Foi seu sucesso no nível organizacional e a formação ativa de instrutores que levaram à predominância numérica da Aikikai sobre os outros estilos. Kisshomaru Ueshiba e seus associados próximos merecem muito crédito por esse progresso. O filho do fundador também publicou seu primeiro livro, intitulado Aikido, em 1957 – mais de vinte outros livros se seguiram – que foi um sucesso de popularidade e, posteriormente, reimpresso várias vezes.

Também é essencial mencionar a contribuição de Koichi Tohei para o crescimento da Aikikai. Um excelente artista marcial com uma personalidade extrovertida, Tohei passou um tempo considerável no exterior, principalmente no Havaí, onde logo se reuniram seguidores ativos do Aikido. Além disso, Tohei conseguiu angariar fundos para o Hombu Dojo sem dinheiro nos primeiros anos. Ele também era membro do círculo interno de tomadores de decisão no Aikikai e era cunhado de Kisshomaru, os dois tendo se casado com irmãs. Embora mais tarde eles se envolvessem em uma disputa amarga que levou a uma ruptura definitiva, nessa época eles trabalharam juntos e o Aikido prosperou.

No final dos anos 50, Morihei Ueshiba dividia seu tempo entre Iwama e Tóquio. Ueshiba também começou a viajar cada vez mais, especialmente para a área de Kansai e a Prefeitura de Wakayama. No entanto, ele não estava muito envolvido em questões administrativas e organizacionais no Hombu Dojo. O papel de Ueshiba neste momento era primariamente em nível instrucional e como símbolo dos objetivos mais altos da arte.

Na Universidade de Waseda, Tomiki continuou a experimentar a introdução da competição no Aikido no final dos anos 50 e início dos anos 60. Nesse estágio, um tipo de prática chamada Toshu Randori, ou competição livre de mãos vazias, havia sido desenvolvido e estava sendo testado. Tomiki desejava obter as bênçãos do fundador por seus esforços. Trocas de pontos de vista ocorreram entre Tomiki e Aikikai, com Shigenobu Okumura muitas vezes atuando como intermediário. No entanto, o fundador foi muito firme nessa questão e insistiu firmemente que o Aikido não incluía competição. Um racha entre Tomiki e a Aikikai se desenvolveu e Tomiki continuou por conta própria.

O ano de 1960 marcou o primeiro ano da realização da Demonstração Nacional de Aikido. A primeira exposição ocorreu no Yamano Hall, em Tóquio. Este evento criou uma consciência da propagação do Aikido e um senso de unidade dentro da estrutura da Aikikai. Foi realizado por muitos anos no Hibiya Kokaido e, a partir de 1977, no Nippon Budokan, seu local atual. Além disso, o início da década de 1960 foi caracterizado pelo crescimento constante da organização Aikikai quando foram criadas federações universitárias regionais e nacionais. A presença de vários clubes universitários garantiu a disseminação do Aikido no mundo empresarial e profissional japonês.

O Yoshinkan, por sua vez, manteve um alto perfil realizando muitas demonstrações públicas. Robert Kennedy, irmão de John F. Kennedy, testemunhou uma demonstração do Yoshinkan Aikido em 1962. O Yoshinkan também conseguiu adminssão nas instituições policiais para oferecer programas de treinamento. Começou a instrução da polícia de choque cerca de 1960 e Kyoichi Inoue começou a ensinar policiais do Departamento de Polícia Metropolitana de Tóquio em 1967. Em 1970, tornou-se instrutor em período integral e hoje cerca de 1.000 mulheres estão sob seu comando.

Em meados da década de 1960, o Aikido havia se destacado entre as principais artes marciais japonesas. A arte foi apresentada em jornais, livros e na televisão. Além disso, um fluxo constante de praticantes estrangeiros começou a frequentar dojos de aikido, fato que não escapou à atenção do público japonês. Embora figuras como Minoru Mochizuki, Tadashi Abe, Masamichi Noro, Aritoshi Murashigue, Mutsuro Nakazono e, claro, Tohei tenham ido para o exterior anteriormente, agora a Aikikai despachava muitos de seus antigos uchideshi para a Europa e para os Estados Unido de maneira mais sistemática. A lista inclui Tamura (França), Tada (Itália), Seiichi Sugano (Austrália), Yoshimitsu Yamada, Mitsunari Kanai e Shuji Maruyama (EUA), Kazuo Chiba (Inglaterra) e Katsuaki Asai (Alemanha).

Quando a década de 1960 chegou ao fim, o fundador havia atingido uma idade avançada e estava com a saúde debilitada. Sua morte em 26 de abril de 1969 marcou o fim de uma era. Kisshomaru seguiu seu pai como o Segundo Doshu e continuou a liderar o Aikikai. Dentro do Hombu Dojo, uma nova geração de professores estava surgindo entre os uchideshi que ingressaram nos Aikikai no início e meados da década de 1960. Entre os ativos estavam Mitsugi Saotome, Norihiko Ichihashi, Masando Sasaki, Shizuo Imaizumi, Kenji Shimizu, Nobuyuki Watanabe, Mamoru Suganuma, Seishiro Endo e Koretoshi Maruyama. O número de estudantes estrangeiros no dojo também atingiu proporções consideráveis, muitos chegando ao Japão de todo o mundo especificamente para estudar Aikido. Kisshomaru tinha o forte apoio de Osawa e muitos dos instrutores da velha guarda que haviam se juntado ao dojo nos anos seguintes à guerra. No entanto, com o fundador não mais em cena, a disparidade nos métodos de ensino entre Koichi Tohei, que enfatizou fortemente o KI, e Kisshomaru e outros shihan se tornaram cada vez mais aparentes. Alianças dentro da Aikikai cresceram levando-a se dividir. As tentativas de Tohei de impor seus métodos na Aikikai encontraram forte resistência e ele acabou montando o KI-No-Kenkyukai fora do Hombu Dojo em setembro de 1971, sob condições tensas. Em março de 1974, a situação piorou consideravelmente e uma grande divisão se tornou iminente. Finalmente, desencadeado por eventos que ocorreram durante as viagens aos EUA por Kisshomaru e Tohei em abril, Tohei anunciou sua separação da Aikikai em 30 de abril de 1974. Ao mesmo tempo, ele estabeleceu o Aikido Shinshin Toitsu (Aikido com mente e corpo coordenados). As consequências dessa ruptura foram devastadoras no Japão e no exterior, especialmente nos EUA. Os Dojos foram obrigados a escolher a quem permaneceriam aliados e os amigos de ontem se tornaram inimigos de hoje. Além dos inconvenientes e dos maus sentimentos experimentados pelos dois lados, o mundo do Aikido sofreu um profundo golpe psicológico, do qual levaria anos para se recuperar.

O início dos anos 1970 foram anos difíceis para o Yoshinkan. Ocorreu uma disputa entre Shioda e um de seus patrocinadores, que também estava administrando o dojo. Isso levou à demissão do patrocinador, juntamente com toda a equipe do escritório e todos, com exceção de um dos instrutores do Yoshinkan Hombu Dojo. Além disso, o dojo acabara de ser transferido de um local central em Yoyogi para um local de difícil acesso na cidade suburbana de Koganei. Embora sua estrutura externa permanecesse mais ou menos intacta, o Yoshinkan foi muito enfraquecido internamente pela demissão em massa e muitos anos seriam necessários para reconstruir seu corpo docente.

Em meados da década de 1970, a situação dentro dos Aikikai se estabilizou e o filho de Kisshomaru, Moriteru, tornou-se cada vez mais uma figura pública. Como o novo Waka-sensei, ele estava sendo preparado para suceder seu pai como o próximo Doshu. Além disso, Kisaburo Osawa, agora Dojocho, se destacou como líder por direito próprio e viajou muito no exterior. Estimulados por eventos políticos na Europa, particularmente na França, a Aikikai decidiu criar uma estrutura internacional formal para supervisionar melhor o desenvolvimento do Aikido, tanto em casa como no exterior. O resultado foi a criação, em 1976, da Federação Internacional de Aikido para países estrangeiros e da Federação de Aikido do Japão para sua rede nacional. O sistema Aikikai no Japão já estava organizado em um nível bastante alto e a criação da organização nacional era mais uma questão de forma do que de substância destinada a obter uniformidade entre as estruturas dos órgãos nacionais de Aikido. Uma quantidade considerável de inércia prevaleceu dentro do sistema Aikikai, com seus ramos espalhados por toda a sociedade japonesa. Dada sua forte base no Japão e tendo agora estabelecido uma estrutura internacional formal, a Aikikai direcionou grande energia para a administração de seus interesses no exterior.

Na cena instrucional do Aikikai, alguns dos novos rostos do final dos anos 1960 e início dos anos 1970 tornaram-se a nova onda de instrutores juniores dos anos 1980 no Aikikai. Eles incluíam Masatoshi Yasuno, Ichiro Shibata, Shoji Seki, Tsuruzo Miyamoto, Yoshiaki Yokota e Hayato Osawa. Eles assumiram parte das tarefas de ensino no Aikikai e fizeram frequentes viagens ao exterior para instruir.

Qualquer referência ao processo de crescimento dos Aikikai no Japão nas décadas de 1970 e 1980 seria incompleta, sem mencionar os esforços de Yasuo Kobayashi. Um ex-uchideshi, Kobayashi estabeleceu seu primeiro dojo em Kodaira em 1969. Desde esse início, ele construiu cuidadosamente uma rede de escolas conhecidas como Kobayashi Dojos, que em 1990 cresceu para incluir mais de 80 locais. Além disso, esse feito foi realizado inteiramente dentro da estrutura da estrutura Aikikai. As chaves do sucesso de Kobayashi estão em sua capacidade de desenvolver um corpo de instrutores leais e excelentes linhas de comunicação. A estrutura de seu grupo é plana, flexível e desprovida de burocracia.

O Aikido atualmente é uma parte institucionalizada da sociedade japonesa. O Aikikai tem uma história que remonta a mais de 40 anos e quase 1.000 dojos afiliados. Ele sobreviveu à grande divisão causada pela saída de Tohei e muitas outras pequenas deserções de professores que seguiram caminhos separados. A transferência ininterrupta de liderança para a próxima geração para Moriteru Ueshiba parece garantida.

(NT) Este artigo foi escrito por volta de 1980. Até hoje, 2020, Moriteru está no comando do Aikikai e seu filho Mitsuteru está sendo preparado para ser o próximo doshu.

Aikido de Iwama - O que é comumente referido como Aikido de Iwama é um vasto sistema técnico que consiste em técnicas de tai-jutsu, aiki-ken e aiki-jo. Somente o componente tai-jutsu inclui cerca de 600 técnicas. Adicionando os vários suburi de armas e exercícios emparelhados e você terá mais de 1.000 formas distintas. Esse currículo é muito mais elaborado do que o do Yoshinkan, da Aikikai ou o de Koichi Tohei antes de ter saído da Aikikai. São esses últimos sistemas que fornecem a base para os estilos de Aikido que se espalharam no Japão e no exterior após a Segunda Guerra Mundial, em vez dos do Fundador. Isso não significa que o sistema de Iwama seja superior, mas simplesmente que ele difere de maneiras importantes no conteúdo e no escopo em comparação com os outros principais estilos de Aikido.

Uma pergunta justa a ser feita é como um sistema técnico tão elaborado poderia ter se desenvolvido no interior isolado de Iwama se Morihiro Saito fosse seu criador? Saito tinha apenas o ensino médio e, além de um trabalho modesto em Tóquio como funcionário da Japan Railways, passou a vida até os 46 anos de idade na cidade de Iwama e arredores. Seus estudos de Judô e Karatê na adolescência foram breves e superficiais, sendo sua principal influência seu aprendizado com o Fundador a partir de 1946.

Vale ressaltar que Morihei Ueshiba viveu em tempo integral em Iwama, de 1942 a 1955. Em comparação, as aparições de O-Sensei no Aikikai Hombu Dojo em Tóquio nos últimos anos foram esporádicas e imprevisíveis. Sua agenda irregular não permitia o ensino de um complexo sistema técnico na cidade. Além disso, o antigo dojo de Tóquio era comparativamente pequeno e não se prestava à prática de armas em contraste com o campo de Iwama, com seus amplos espaços ao ar livre. Além disso, os Aikikai do final dos anos 50 e 60 tinham um quadro experiente de alguns dos melhores instrutores do mundo que supervisionavam as instruções.

Então, quais são as possíveis origens do Aikido de Iwama? A meu ver, podem ser três:
(1) Morihei Ueshiba ensinou um sistema tecnicamente rico, incluindo armas em Iwama, por um período prolongado, com Morihiro Saito como seu aluno principal. Saito transmitiu os métodos de ensino do Fundador essencialmente intactos, mudando ou acrescentando pouco; (2) Saito pegou os princípios vagamente organizados de Aikido que aprendeu com o Fundador e criou um currículo elaborado por si próprio, sem contribuições externas que sejam substancialmente diferentes daquilo que o Fundador ensinou. (3) Saito adquiriu um profundo conhecimento do Aikido de sua longa associação com o Fundador e sistematizou esse conjunto de informações em um sistema moderno, pedagogicamente sólido. A terceira conclusão parece a mais convincente para mim.

Certa vez, duvidei que os métodos de Saito Sensei estivessem profundamente enraizados nos ensinamentos de O-Sensei, devido às diferenças aparentes na execução de suas técnicas. Baseei-me nas demonstrações do Fundador nos filmes de seus últimos anos, onde ele executou muito poucas técnicas, muitas delas envolvendo pouco contato com seu ukê. Por outro lado, o aikido de Saito Sensei era preciso, marcial e tecnicamente diversificado. No entanto, fui forçado a reavaliar minha opinião sobre esse ponto-chave após a descoberta do manual técnico de O-Sensei de 1938 "Budo", em que fotos de várias técnicas básicas são praticamente idênticas às formas de aikido ensinadas por Saito Sensei em Iwama. Minha exposição posterior às mais de 1.000 fotos da série Noma Dojo de 1935 reforçou essa mudança no meu pensamento. Literalmente, centenas de técnicas muito precisas e complexas decorrentes dos anos do Fundador em Daito-ryu aikijujutsu são preservadas. Somente um verdadeiro mestre de artes marciais poderia ter adquirido este conjunto de habilidades maravilhosas.

Muitos sugeriram que o Fundador era um tanto casual em sua abordagem de ensino, mas, pelo menos durante os anos de Iwama, ele parece ter deixado intacto um sistema marcial original e brilhantemente concebido.

[atualização: O Aikido de Iwama era incorporado à Aikikai. Depois que Morihiro Saito faleceu em 2002, as diferenças entre seu filho Hitohiro como sucessor e a Aikikai fizeram Hitohiro Saito se separar da Aikikai em fevereiro de 2004 e formar sua própria organização chamada Iwama Shin Shin Aikishurenkai. Sua página inicial iwamashinshinaikido.com em 2020 lista 9 dojos no Japão como afiliados e 44 representantes em diversos países.]

O dojo central do Aikido Yoshinkan (Yoshinkan Aikido Hombu Dojo), aos 35 anos, criou a Federação Internacional de Aikido Yoshinkai e anunciou o filho de Shioda, Yasuhisa, como seu sucessor. Embora relativamente pequeno em termos de números, o Aikido Yoshinkan é muito conhecido no Japão e no exterior e sua nova organização, se bem administrada, deve promover um crescimento constante.

O Aikido Tomiki, com sua sólida base na Universidade de Waseda e no dojo Shodokan em Osaka, continua a seguir seu caminho independente, realizando competições. É supervisionado pela Japan Aikido Association e parece destinado a obter ganhos constantes, dada a sólida base teórica deixada por Kenji Tomiki.

Shinshin Toitsu Aikido. O grupo tem sido atormentado por inúmeras deserções entre as fileiras de seus melhores professores, no Japão e no exterior. Embora a reputação pessoal de Tohei permaneça intacta, sua organização Ki-No-Kenkyukai ainda é pequena no Japão, e grande parte do apoio restante vem de dojos de filiais no exterior. Em 2007, ele permitiu seu filho Shinichi Tohei dar continuidade a seus ensinamentos. Desde então, ele se aposentou da vanguarda do ensino e da assistência ao desenvolvimento do ShinShin Toitsu Aikido. Em 19 de maio de 2011, ele faleceu aos 91 anos.

O Aikido do Yoseikan parece destinado a desaparecer da cena das artes marciais japonesas, já que seu fundador, Minoru Mochizuki, está em uma idade avançada e não existe uma rede de dojo.

[atualização: Após a morte de seu fundador, Minoru Mochizuki, em 2003, o YOSEIKAN Aikido vive em dois ramos. A sede da Yoseikan foi, devido aos esforços do filho de Mochizuki, Hiroo, transferida para a França, onde tem uma base forte, embora de forma alterada. Por outro lado, um grupo de estudantes diretos de Minoru Mochizuki Sensei que permaneceram leais a seus ensinamentos continua seu estilo sob o nome Seifukai e existem vários grupos dedicados no Canadá e nos EUA e na Alemanha.]

O Aikido Manseikan, um grupo independente centrado em Kyushu, sob a liderança de Kanshu Sunadomari, é bem organizado e deve continuar a mostrar ganhos nessa região. O Aikido Tendokan, ensinado por Kenji Shimizu, ex-Aikikai, tem um grande dojo em Tóquio e vários dojos na Europa. Muitos outros pequenos grupos que usam o nome de aikido existem hoje no Japão. Alguns são chefiados por indivíduos que deixaram o mainstream (a corrente principal) e outros por pessoas cujas reivindicações de conexões com Morihei Ueshiba ou Sokaku Takeda não foram documentadas. O Shin'ei Taido de Noriaki Inoue parece estar em extinção, pois seu fundador está se aproximando dos 90 e tem poucos alunos.

Os objetivos idealistas adotados pelo fundador do aikido, Morihei Ueshiba, embora não tenham sido realizados, são lembrados e aspirados por muitos e provavelmente não serão esquecidos. Como uma arte marcial única, com ênfase humanística, o aikido parece destinado a continuar seu crescimento lento e constante e permanecer uma força constante para a melhoria da sociedade.

  • 1. Dai Nippon Butoku Kai (DNBK) 大 日本 武 徳 徳 (literalmente "Sociedade das Virtudes Marciais do Grande Japão") é uma organização japonesa de artes marciais estabelecida em 1895 em Quioto. A DNBK afirma que seus objetivos incluem a restauração das culturas marciais clássicas, a promoção da paz e harmonia internacionais por meio da educação e treinamento das disciplinas tradicionais das artes marciais. A Dai Nippon Butoku Kai (DNBK) foi estabelecida em 1895 sob a autoridade do Ministério da Educação e sanção do Imperador Meiji. Seu objetivo, naquela época, era padronizar as disciplinas e sistemas marciais em todo o Japão. Esta foi a primeira organização oficial de artes marciais sancionada pelo governo do país. Promoveu as virtudes marciais dos guerreiros samurais e a alta proficiência histórica nas disciplinas marciais. Durante um período em que a influência estrangeira foi vista como uma ameaça à identidade japonesa, a DNBK foi formada principalmente para perpetuar as tradições culturais japonesas, como bugei e bushido.
  • 2. Kyōju Dairi (教授 代理, "instrutor representativo") é um certificado de ensino empregado por vários koryū japoneses, ou artes marciais tradicionais. Empregado por Sōkaku Takeda no início de sua carreira para designar um alto nível de entendimento do sistema Daitō-ryū aiki-jūjutsu, mais tarde ele adicionou uma designação de nível superior conhecida como menkyo kaiden. Assim, seus primeiros alunos de alto escalão, como Sagawa Yukiyoshi (que já foi convidado a ser o herdeiro da arte e, portanto, devemos assumir que possuía um entendimento muito profundo da arte), foram premiados apenas com o kyōju dairi. Alguns dos que sabidamente receberam esse certificado de Sokaku foram Yukiyoshi Sagawa, Taiso Horikawa, Kōtarō Yoshida, Morihei Ueshiba e Takuma Hisa.
  • 3. Na Enclyclopedia of Japanese Martial Arts, David Hall, consta 1949 como o ano de implantação do nome Aikidô.