Jovens Samurais

Nos últimos anos, tem aumentado bastante o número de jovens alunos de aikidô no Japão.

A questão de começar aulas para crianças no Hombu Dojô surgiu há quase 20 anos atrás. A razão para discutir a conveniência de tal iniciativa era que o aikidô enfatiza não só os movimentos físicos, mas, cedo ou tarde, requer compreensão da filosofia que o sustenta. Elementos de diversão ou de jogos que poderiam manter o interesse de crianças são mínimos, e nós tínhamos que tomar, seriamente, uma decisão. Para nossa grande surpresa e satisfação, a maioria dos estudantes continuou a praticar aikidô através dos anos subseqüentes. por fim, não podíamos evitar de ficarmos impressionados com a sinceridade e seriedade demonstrados na prática pelos mais jovens. Certamente essas são as qualidades essenciais para qualquer aluno do aikidô, principalmente ou graduado. Eis um ponto que nunca devemos esquecer.

Algum tempo atrás, um instrutor assistente do Hombu Dojô que ensinava uma turma infantil numa extensão da academia expressou admiração diante do rápido progresso das crianças. Ele estava impressionado pela intensa curiosidade, receptividade e boa vontade delas em praticar os mesmos movimentos. Também achou que eram muito perceptivas e podiam ler os pensamentos do professor pela sua maneira de falar, escolher palavras ou olhar para elas. De fato, a menos que o professor fosse sincero ao repreender ou elogiar os alunos, eles não o respeitariam. Esse instrutor vinha treinando há 15 anos, mas nessa ocasião aprendeu com as crianças que o espírito de harmonia e verdadeiro amor são essenciais para o ensino do aikidô. E acrescentou que, enquanto ensinava os fundamentos do aikidô para as crianças, aprendia com elas os fundamentos do amor e da harmonia. A curiosidade e o desejo das crianças em relação ao aikidô estão muito além da imaginação da maioria dos adultos.

O método de treinamento para crianças e jovens difere daquele para adultos, mas os fundamentos e o progresso são essencialmente os mesmos. Como nas aulas dos adultos, os alunos começam com exercícios preliminares tais como funakogi (remar) e furitama (firmar o ki). Esses foram elaborados pelo Fundador, quando compreendeu que “esse ser é nada menos que o universo”, como métodos de chamar a essência divina para dentro do nosso próprio centro.

Nos exercícios de remar, a pessoa fica em pé com uma perna na frente e outra atrás, cerrando as mãos como se segurasse remos. O quadril torna-se o centro de movimentos repetitivos para frente e para trás, que lembram o ato de remar. Durante esses movimentos, o ki é mantido no centro como um método de unificar a mente e o corpo.

Depois desses exercícios preliminares, ensina-se aos alunos a cair rolando para frente e para trás e, eventualmente, praticarem ser conduzidos pelo movimento esférico de um parceiro. Essa prática é conhecida como ukemi; sendo que a pessoa que conduz é chamada nage, e a que é conduzida ou arremessada, de uke. Em seguida, prosseguem aprendendo os movimentos sentados e técnicas de chão chamadas shikko e suwari-waza. Como o povo japonês está rapidamente perdendo o costume de se sentar no tatami em estilo formal, eu temia que as crianças se rebelassem ou achassem difícil realizá-lo, mas isso não aconteceu, e para minha alegria gostaram de se exercitar no chão.

Esses exercícios de chão se baseiam no seiza, o estilo formal de sentar. Uma vez que isso se torna uma postura natural de sentar, como exigido no início e no final de cada aula de aikidô, ela leva por si mesma ao desenvolvimento da etiqueta correta.

--
Kishomaru Ueshiba - do livro O espirito do Aikido
tradução de J.F.Santos- Brasilia Aikido Shikanai.

10 anos 11 meses atrás